zulupa.com.br
quarta-feira, 18 de outubro de 2017

Minha história

 

Me faço Arte

Natural de Santa Rosa, Narda Lunardi estudou, entre outras escolas, no Visconde de Cairú, onde conheceu sua verdadeira vocação, a dança, o canto e a pintura.

 

Natural de Santa Rosa, Narda Lunardi estudou, entre outras escolas, no Visconde de Cairú, onde conheceu sua verdadeira vocação, a dança, o canto e a pintura. “Desde criança as cores sempre me fascinaram, acredito que posso ver as cores das pessoas”, afirma.
Narda saiu de Santa Rosa pela primeira vez com 19 anos de idade, logo depois de se casar, quando foi morar na Bahia onde permaneceu por um ano em Salvador. Nessa época viajou muito, conheceu praticamente todo o litoral até o Maranhão. Depois, ela e seu esposo voltaram e foram morar no Morro de São Paulo, uma pequena localidade que pertence a Ilha de Tinharé (BA) bem próximo de Salvador, onde teve a grata experiência de viver por quase três anos em contato total com a natureza e com pouquíssimas pessoas a sua volta, pois tratava-se de uma ilha quase deserta, literalmente. Narda conta ainda que no dia-a-dia ela e seu esposo andavam de pés descalços, quase nus. Nas residências do povoado não tinha água encanada nem luz elétrica. Era um lugar muito especial com fontes inesgotáveis de inspiração e isso na década de 80 era o paraíso. Depois de permanecer por vários anos vivendo entre Bahia, Rio de Janeiro e Santa Rosa, em uma dessas ocasiões em que retornou à terra natal, onde permaneceu por pouco mais de três anos, Narda chegou a montar um bar na cidade. Então decidiu partir em busca de mais uma descoberta, mais um desafio em sua vida, e no seu caso descoberta é sinônimo de inspiração, foi então que mudou-se para Florianópolis, onde morou por dez anos. Grandes descobertas a fizeram se dedicar exclusivamente ao estudo do Flamenco e da Yoga.
Por estar sempre em uma constante busca, seja ela pelo que for, Narda passou a se sentir realizada com o que a vida tinha lhe apresentado. “A grande descoberta da yoga em minha vida se deu porque eu praticava meditação e tinha uma amiga muito especial que estudava Yoga e sempre me enviava livros sobre o assunto, logo passei a desenvolver um imenso desejo de aprender mais sobre o tema, vindo a me formar na Linhagem Ashtanga Vinyassa Yoga, que estuda ciência, arte e filosofia”. Finalmente, Narda percebeu que havia se encontrado, na Yoga encontrou respostas e o equilíbrio que sempre buscou.
Narda trabalha com o Batik, ha mais de 20 anos, uma fantástica técnica de pintura, que tem lhe trazido grandes realizações, pois, através das peças e exposições tem conhecido muita gente interessante. “Normalmente quando alguém me pede para criar uma peça costuma dizer: ‘Narda, fique a vontade, use sua inspiração...’ Mas não funciona bem assim, uma vez que na pintura para mim é muito forte a interpretação que tenho das cores das áureas das pessoas, tenho a clara percepção da maioria dos sentimentos delas com apenas alguns segundos de observação. Quando pergunto se a pessoa gosta de amarelo e ela me responde que não e que gosta de um traçado mais suave e tal, aí começa a ter sentido o Batik, pois, essa técnica se utiliza da alma e com base nos elementos da natureza como o fogo, a terra, a água e o ar”.
Por ter compreendido que nasceu para a arte, Narda pretende, ainda em 2012, participará de um grande show em Santa Rosa, com participações muito especiais, com dança, canto e tantas quantas facetas da arte se permitir entrar em cena.

 

Yoga. Fotos: Didi Morari. Yoga. Fotos: Didi Morari.
Yoga. Fotos: Didi Morari. Yoga. Fotos: Didi Morari.
Dança Flamenca. Fotos: Bugra. Dança Flamenca. Fotos: Bugra.
Dança Flamenca. Fotos: Bugra. Dança Flamenca. Fotos: Bugra.
Batik. Fotos: Amilcar Luconi. Batik. Fotos: Amilcar Luconi.
Batik. Fotos: Amilcar Luconi. Batik. Fotos: Amilcar Luconi.
Batik. Fotos: Amilcar Luconi. Batik. Fotos: Amilcar Luconi.
Arquivo
  • Peixes Voadores "Levando com nós a bandeira do Rock And Roll"
  • Dos campos do Sul às rádios da América Latina “Meter a mão na terra, e dela retirar poemas e canções, é para quem sabe que dela saiu e para ela um dia voltará”.
  • "Só tenho tempo se estou ocupado" Roque Aloisio Weschenfelder diz que é professor nas horas de folga e nas demais escreve e interage com a família e o mundo.
  • "Larguem essas coisas e vão estudar" A Amplifield foi se formando aos poucos. Inicialmente o João Bauken – Baterista, convidou o Felipe Trindade – Guitarrista, para começar a fazer um som. O músico adquiriu a primeira guitarra na troca de uma bicicleta. Felipe relembra.
  • Entre pedaladas mundo afora Egon Mittelstadt, 48 anos de idade, é natural de Santa Rosa, formado em Educação Física pela UNIJUÍ, professor de Taekwondo, Árbitro Esportivo e Ciclista.
  • Leitura como paixão! Natural de Campina das Missões, Jacob Petry é formado em filosofia pela Unijuí, tem 40 anos e desde 2006 mora na pequena cidade Hachensach, dos Estados Unidos.
  • Da arte do futebol para arte do teatro Denilson Levy, veio do Rio de Janeiro para “beber a água dos rios de Santa Rosa”.
  • Desafios como incentivo para viver Rosamélia Mensch Klein, viúva, aposentada, dona de casa, 72 anos de idade, filha de empresário, é natural da cidade de Ijuí.
  • Teatro para melhorar a vida das pessoas Natural do município de Giruá, Maria Inez Flores Pedroso, veio para Santa Rosa com nove anos de idade.
1 2 3 

 

Soluty Zulupa.com.br © 2010. Todos os direitos reservados.
contato@zulupa.com.br - (55) 9700 5946 / 9613 5633