zulupa.com.br
terça-feira,25 de setembro de 2018

Minha história

 

Esperança e persistência transformam vidas

Nascido num lar humilde, Lauri aprendeu desde muito cedo a ter compromisso. Era o quarto filho de um total de 8 irmãos.

 

Lauri Venites.
Lauri Venites.

Seus pais não possuíam estudo e nem um bom emprego, isso obrigava os filhos a trabalhar desde cedo. “Aos oito anos de idade, ajudava meu pai na lavoura. Estudava pela manhã e trabalhava a tarde. Aos 10 anos trabalhei como engraxate, lavador de carro, pasteleiro e jardineiro. A partir daí, nunca mais soube o que era ter tempo para brincar”.

Drogas

Lauri conta que aos 13 anos ingeriu bebida alcoólica e drogas pela primeira vez. Ele lembra que conheceu muitos “amigos” que o levaram aos mais diversos tipos de perdições. Como trabalhava em turno integral, parou de estudar, e como seu pai era alcoólatra e não trabalhava, Lauri sustentava toda a família.
Aos 16 anos teve sua carteira de trabalho assinada pela primeira vez. Mesmo com muito trabalho, Lauri conta que encontrava tempo para as drogas. “Sempre arranjava tempo para as bebedeiras, drogas, brigas e prostituições. Chegava de madrugada em casa, não dava satisfação pra ninguém, achava que eu era ‘o cara’. Com isso me meti em muita confusão, sempre em defesa dos ‘amigos’, porém quando eu precisei de ajuda, não havia mais ninguém. Enfrentei a cadeia, processos, dormi na rua, passei fome, mas sobrevivi”.
Ainda nesta mesma rotina, aos 20 anos, casou-se com uma pessoa muito especial. “Muita coisa mudou na minha vida, me tornei bom esposo, um grande pai, mas não conseguia me libertar das drogas. Minha esposa sabia, mas não queria admitir, tinha esperança que eu mudasse”.
Chegaram ao ponto de se separar pois brigavam muito, mas após quatro meses separados, Lauri prometeu a sua esposa que iria tentar mudar. “Voltamos e tivemos nossa segunda filha. Nessa época minha esposa conheceu Jesus e sua vida também mudou, ela sempre me convidava a conhecê-lo também. Quando abri meu próprio negócio: uma lavagem e borracharia, estava prosperando, comprei meu primeiro fusca, já tinha minha casa própria e veio minha terceira bênção, um filho homem para completar toda a minha felicidade”.

Deus

Neste momento Lauri conta que tudo parecia que daria certo, mas ele não soube vencer as lutas e faliu. Teve que vender a casa, o carro, o ponto da firma e mesmo assim, não pagou todas as dívidas. Todos os dias era atormentado por cobranças, o que levou ele a novamente descer ao fundo do poço, sem esperanças. Foi então que conheceu Jesus. “Pensei em ir embora, largar a família e sumir. Mas Deus me deu forças para erguer a cabeça e continuar”.
Trabalhou por 8 anos como metalúrgico, reformou a casa, comprou outro carro e pagou todas as dívidas e, por surpresa, foi demitido. “Sem emprego por seis meses, resolvi arriscar de novo abrindo meu próprio negócio”. Hoje, Lauri é motoboy, trabalha todo dia das 8h às 23h. “Tenho uma vida muito feliz com minha família. Tudo isso graças ao meu bom Deus, que todo dia me leva e me trás me protegendo dos perigos”.
Lauri, com toda essa experiência, deixa um conselho para quem está lendo essa história. “Há sempre uma esperança, não desista”!

 

Lauri, pronto para mais um dia de luta. Lauri, pronto para mais um dia de luta.
Arquivo
  • Peixes Voadores "Levando com nós a bandeira do Rock And Roll"
  • Dos campos do Sul às rádios da América Latina “Meter a mão na terra, e dela retirar poemas e canções, é para quem sabe que dela saiu e para ela um dia voltará”.
  • "Só tenho tempo se estou ocupado" Roque Aloisio Weschenfelder diz que é professor nas horas de folga e nas demais escreve e interage com a família e o mundo.
  • "Larguem essas coisas e vão estudar" A Amplifield foi se formando aos poucos. Inicialmente o João Bauken – Baterista, convidou o Felipe Trindade – Guitarrista, para começar a fazer um som. O músico adquiriu a primeira guitarra na troca de uma bicicleta. Felipe relembra.
  • Me faço Arte Natural de Santa Rosa, Narda Lunardi estudou, entre outras escolas, no Visconde de Cairú, onde conheceu sua verdadeira vocação, a dança, o canto e a pintura.
  • Entre pedaladas mundo afora Egon Mittelstadt, 48 anos de idade, é natural de Santa Rosa, formado em Educação Física pela UNIJUÍ, professor de Taekwondo, Árbitro Esportivo e Ciclista.
  • Leitura como paixão! Natural de Campina das Missões, Jacob Petry é formado em filosofia pela Unijuí, tem 40 anos e desde 2006 mora na pequena cidade Hachensach, dos Estados Unidos.
  • Da arte do futebol para arte do teatro Denilson Levy, veio do Rio de Janeiro para “beber a água dos rios de Santa Rosa”.
  • Desafios como incentivo para viver Rosamélia Mensch Klein, viúva, aposentada, dona de casa, 72 anos de idade, filha de empresário, é natural da cidade de Ijuí.
1 2 3 

 

Soluty Zulupa.com.br © 2010. Todos os direitos reservados.
contato@zulupa.com.br - (55) 99700 5946 / 99613 5633