zulupa.com.br
sábado, 19 de agosto de 2017

Minha história

 

Desenho como forma de expressão

Taciara aproveita as horas de folga para, além de sair com seus amigos, fazer o que mais gosta, desenhar.

 

Talentosa, Taciara inspira-se nas coisas do dia a dia.
Talentosa, Taciara inspira-se nas coisas do dia a dia.

Meiga, simpática, inteligente e cheia de talento, assim é Taciara Laise Argilar. Estudante do 1º ano do Ensino Médio do Colégio Dom Bosco em Santa Rosa, Taciara aproveita as horas de folga para, além de sair com seus amigos, fazer o que mais gosta, desenhar.
Desde pequena ela teve admiração por desenhos. Leitora assídua de gibis, Taciara desenhou seus primeiros rabiscos ainda criança. A partir da 3ª série começou a desenhar com mais freqüência e hoje, com 15 anos, transforma vivências, pensamentos e desejos em lindos desenhos.
Fascinada por papel e lápis, Taciara é uma admiradora da arte. Para ela o desenho é uma forma de expressão, de mostrar sentimentos e de fazer tudo o que se tem vontade, transformando pensamentos em realidade e dando asas à imaginação.
Com traços bem definidos, seus desenhos e retratos, além de serem reproduzidos a partir de fotos originais, têm inspirações no dia a dia, o que vem com naturalidade. “Eu vejo uma imagem na rua em qualquer lugar que vou e então tenho vontade de desenhar aquilo que vi. Só que do meu jeito. Quando vejo imagens legais na internet ou quando leio um texto eu sempre crio um desenho”.
Trocar brinquedos tradicionais de crianças por papel e lápis era uma atitude freqüente na sua infância. Sempre buscou transformar qualquer pedaço de papel e tempo livre numa oportunidade de “viajar” com a imaginação. “Sempre rabiscava os livros da minha irmã”, lembra ela.
Seu talento já é reconhecido e, além de desenhar por hobby, Taciara, já teve participações, como ilustradora, em produções literárias da cidade: ‘O Mágico Mundo das Letras’, publicado em 2010 pela Associação Santa-rosense de Escritores(ASES) e, ‘A Borboleta Brilhante’ do autor Aloísio Weschenfelder, também publicado em 2010.
Taciara diz que recebe as histórias e, conforme vai lendo, cria personagens e os transforma em ilustrações. Ela lembra ainda que gostou dessa experiência. “Foi transformar meu hobby, o laser que eu tinha em um trabalho, uma coisa que realmente possa ter futuro, que possa significar alguma coisa. Era um trabalho que eu fazia de um jeito que eu gostava, não me sentia obrigada a fazer, era legal e me dava prazer”.
Com algumas dúvidas sobre qual ramo do desenho seguir como profissão; moda, arquitetura, artes; Taciara tem uma certeza, que uma folha em branco significa um mundo cheio de possibilidades, onde a imaginação não tem limites.
Desenhos diversos, em preto e branco, caricaturas, retratos, não importa o estilo, Taciara sempre busca, nos desenhos que faz, transmitir alguma coisa. “Nos meus desenhos eu sempre procuro transmitir parte da vida das pessoas. As vezes desenho pessoas pensativas, cada desenho tem um sentimento diferente, tem uma história para mim, talvez os outros não saibam, mas sempre tem. Sempre quando eu olho todos estes desenhos que tenho aqui comigo, lembro quando os fiz, por que fiz, eu sei tudo, é quase como uma agenda diária”.
Talentosa e inspirada, Taciara acredita que o desenho sempre tem um traço pessoal. “Independente do que você desenha, sempre tem aquela identidade tua, porque o traço é teu e a imaginação é tua, os personagens vêm na hora, você lê o texto ou imagina a história e surgem na cabeça os personagens”.
Filha da Srª. Leoni Weyer Argilar e do Sr. Ilson Argilar e irmã mais nova de Tanise Valéria Argilar, Taciara, também escreve pensamentos e reflexões sobre cosias que acontecem no seu dia. “Mas o que gosto mesmo e me realiza, é desenhar”, afirma ela.

 

Taciara desenhou seus primeiros rabiscos ainda criança. Taciara desenhou seus primeiros rabiscos ainda criança.
Taciara sempre foi admiradora da arte. Taciara sempre foi admiradora da arte.
Arquivo
  • Peixes Voadores "Levando com nós a bandeira do Rock And Roll"
  • Dos campos do Sul às rádios da América Latina “Meter a mão na terra, e dela retirar poemas e canções, é para quem sabe que dela saiu e para ela um dia voltará”.
  • "Só tenho tempo se estou ocupado" Roque Aloisio Weschenfelder diz que é professor nas horas de folga e nas demais escreve e interage com a família e o mundo.
  • "Larguem essas coisas e vão estudar" A Amplifield foi se formando aos poucos. Inicialmente o João Bauken – Baterista, convidou o Felipe Trindade – Guitarrista, para começar a fazer um som. O músico adquiriu a primeira guitarra na troca de uma bicicleta. Felipe relembra.
  • Me faço Arte Natural de Santa Rosa, Narda Lunardi estudou, entre outras escolas, no Visconde de Cairú, onde conheceu sua verdadeira vocação, a dança, o canto e a pintura.
  • Entre pedaladas mundo afora Egon Mittelstadt, 48 anos de idade, é natural de Santa Rosa, formado em Educação Física pela UNIJUÍ, professor de Taekwondo, Árbitro Esportivo e Ciclista.
  • Leitura como paixão! Natural de Campina das Missões, Jacob Petry é formado em filosofia pela Unijuí, tem 40 anos e desde 2006 mora na pequena cidade Hachensach, dos Estados Unidos.
  • Da arte do futebol para arte do teatro Denilson Levy, veio do Rio de Janeiro para “beber a água dos rios de Santa Rosa”.
  • Desafios como incentivo para viver Rosamélia Mensch Klein, viúva, aposentada, dona de casa, 72 anos de idade, filha de empresário, é natural da cidade de Ijuí.
1 2 3 

 

Soluty Zulupa.com.br © 2010. Todos os direitos reservados.
contato@zulupa.com.br - (55) 9700 5946 / 9613 5633