zulupa.com.br
terça-feira,16 de julho de 2024

Colunas / Cultura

 

25/05/2024 18h11

TEU LUGAR NÃO É AÍ

Paulo Schultz Paulo Schultz
Professor
 
Morador do Rio de Janeiro, General Mourão se elegeu senador pelo Rio Grande do Sul em 2022,  e frequenta o Rio Grande do Sul, na condição de turista, às vezes.
 
Agora que o Rio Grande do Sul vive uma situação terrível por conta de uma catástrofe climática, Mourão justifica sua ausência no estado dizendo que esta não é sua função como senador,  e que, por ter 70 anos de idade, não pode ajudar.
 
Estupidez da maioria dos eleitores gaúchos que,  na onda gaúcha de fidelidade ao bolsonarismo,  elegeram esta criatura tosca, e que está lá no senado somente para se encostar  por oito anos, pouco produzindo de útil.
Sairá de lá, depois de 8 anos improdutivos, para ser simplesmente um general de pijama.
 
Na verdade Mourão,  teu lugar não é aí no senado. Quem deveria estar aí representando o Rio Grande do Sul é Olívio Dutra. 
 
Ou você acha que dá para comparar uma figura como Mourão com a grandeza política e pessoal de Olívio ?
 
Sérgio Moro, o herói midiático da Lava Jato, se escapou da cassação de seu mandato de senador esta semana no TSE, numa acomodação de bastidores que lhe safou, mais para evitar atritos entre poderes, do que pela figura em si.
 
Melhor assim, pois, cassado, Moro ganharia um altar de mártir abatido pelo "sistema corrupto". Um título eterno que ele, uma figura medíocre e corrompida, não merece.
 
Assim, ele ficará opaco e esquecido dentro do Senado, onde fará algumas aparições e falas patéticas volta e meia, em um mandato único, com poucas chances de repetição.
 
Irá pra o limbo depois, como tantos outros heróis de barro da elite e da classe média brasileira.
 
Na verdade,  Moro, teu lugar não é aí no senado. Até porque, da vitrine jurídica que te fez chegar aí, existem bastante implicações legais da sua atuação como juiz, principalmente durante a Operação Lava Jato,  pelas quais existem processos que podem gerar condenações futuras.
 
O showman e dublê de governador,  Eduardo Leite, vinha até agora fazendo um segundo governo fraco, sem brilho, não conseguindo impor uma agenda positiva e uma imagem positiva que lhe desse condições de tocar adiante seu projeto pessoal de concorrer à presidência da república pelo PSDB em 2026.
 
Pois bem, veio o desastre climático que atinge o Rio Grande do Sul, e a primeira ação de Leite foi reagir de forma midiática  pedindo ajuda para Lula via Twitter .
 
Como o governo federal respondeu rapidamente,  deslocando ministros,  estrutura logística,  forças armadas,  enormes recursos financeiros,  etc. ,  e tendo o próprio Lula vindo três vezes ao estado por três vezes num intervalo de poucos dias, Leite aproveitou o vácuo da ação do governo federal,  botou um colete de dublê de operador da defesa civil,  e está tentando fazer da reconstrução do Rio Grande do Sul sua vitrine positiva para tocar sua ambição política de  concorrer à presidência.
 
Na real,  Eduardo Leite, teu lugar não é aí no governo do Rio Grande do Sul, pelo que entregou de resultado ao povo gaúcho no teu primeiro governo. 
 
Tu ganhou uma reeleição de graça, sem merecer, quando foi, por uma diferença miserável para o segundo turno, enfrentar Onix Lorenzoni,um picareta medíocre.
 
Leite entrou no 2o turno de 2022 sabendo que iria ganhar a maioria dos votos dos eleitores do PT, para que o  pior não acontecesse -  a ascensão do bolsonarismo ao poder aqui no governo do estado.
 
E assim ganhou fácil uma reeleição não merecida.
 
Enquanto isso,  na Câmara dos Deputados,  temos lá pouco mais de uma centena de deputados da extrema-direita ( quase todos eles  bolsonaristas).
 
Em sua grande  maioria, figuras bizarras, burras, ignorantes, limitadas, eleitas no vácuo da onda Bolsonaro, que operam na base de fake news e lacração nas suas redes / bolhas.
 
A grande maioria não teria condição política e intelectual de ocupar sequer vaga de vereador (a) em qualquer Câmara de Vereadores do país afora, mesmo naquelas cidades mais distantes, do tipo Cacimbinha do Norte.
Mas infelizmente essa gente toda tá lá. 
 
Criando tumulto,  conflito e fazendo uma narrativa contínua e diária, calcada em mentiras parciais ou totais, e movida a ódio ao que é contrário à sua concepção de sociedade.
 
Há lá,  no meio da matilha,  dezenas de parlamentares delegados,  tenentes, e de outras patentes militares( todos defensores da violência, do armamento indiscriminado e sem qualquer empatia humana) , tem  deputada que se veste como se estivesse fantasiada para ir numa festa de Oktoberfest,  tem provocadores rasteiros (  que fazem o tipo bêbado que provoca briga em bolicho ), e por aí segue.
 
Agora, sejamos sinceros, dá vontade de dizer para cada um deles.. "teu lugar não é aí".
 
Até porque.... se a gente for se basear naquele ditado que diz "muito ajuda quem não atrapalha "...a bancada bolsonarista não só não ajuda, como também atrapalha bastante, propositalmente porque o negócio deles é criar conflito permanentemente. 
 
Agora, repare... quanta gente mais você vê em determinados lugares, e aí você pensa "teu lugar não é aí".
 
Na minha cidade, por exemplo, quando eu olho para quem ocupa a cadeira de prefeito, isso me parece nítido: o lugar dele não é lá não.
 
E se essas pessoas acharem de cagar e andar para o que a gente pensa sobre os lugares que elas ocupam não serem merecidos ou adequados... o que a gente pode fazer é, coletivamente, e pelas vias democráticas,  fazer todos os movimentos para que elas não sejam reconduzidas para ficar mais tempo em suas atuais posições. 
 
Requer engajamento coletivo e fazer as coisas certas, mas vale pelo resultado.
 
Afinal,  a gente não tem que ficar olhando para pessoas em lugares errados, fazendo m...., prejudicando, ou fazendo nada,  e se conformar com isso...
 
Não é mesmo ?
 

 

Este artigo é de responsabilidade exclusiva do seu autor, não representando necessariamente a opinião do portal.

 

Comente estE ARTIGO

Mensagem  
Nome  
E-mail*  
   
  * não será publicado.

 

Soluty Zulupa.com.br © 2010. Todos os direitos reservados.
contato@zulupa.com.br - (55) 99700 5946 / 99613 5633