zulupa.com.br
terça-feira,20 de outubro de 2020

Colunas / Cultura

 

01/08/2020 20h37 - Atualizado em 01/08/2020 20h44

A Bíblia dos lunáticos e algumas coisas obscuras

Paulo Schultz Paulo Schultz
Professor
Começo com duas notícias:
 
  • Folha de São Paulo, 23 de julho 
"Governo Bolsonaro tem estoque parado de 4 milhões de comprimidos de cloroquina"
 
Detalhe: destes 4 milhões de comprimidos de cloroquina em estoque, 2 milhões foram despejados em solo brasileiro pelo governo americano de  Donald Trump, semanas antes do Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos suspender o uso do medicamento para casos de Covid-19.
 
  • Brasil de Fato, 28 de julho
"Governo federal distribuiu 100 mil unidades de cloroquina para indígenas"
 
Detalhe: desde de maio, o Conselho Nacional de Saúde (CNS) não recomenda o uso da substância para o tratamento, especialmente em casos ambulatoriais. Pesquisas divulgadas desde maio mostram que, além de não ter eficiência comprovada para o tratamento, o uso ambulatorial da cloroquina representa um risco à saúde. Um estudo publicado também em maio pelo jornal científico The Lancet apontou um aumento da mortalidade entre os pacientes que receberam a substância, ligado principalmente a arritmias cardíacas.
 
Feitas as citações, é fácil concluir...
Estudos científicos não recomendam, entidades renomadas não recomendam, governos proíbem ou banem o uso da cloroquina, por ser inútil como tratamento, e oferecer risco à vida de quem a usar.
 
 Mas isso não vale para parte do Brasil.
 
 Bolsonaro e seus seguidores seguem firmes, agarrados às caixinhas do medicamento.
 
A cloroquina virou um símbolo.
 
 No período em que o país vive, no qual, para os apoiadores do governo, a imbecilidade é vista como virtude, a cloroquina se tornou o símbolo da era Bolsonaro.
 
Bolsonaro precisava de um "totem sagrado" que representasse seu governo, e que servisse de ostentação e adoração por parte dos seus seguidores bolsonaristas.
E a cloroquina caiu perfeita para Bolsonaro usá-la como esse totem.
 
Bolsonaro é esperto, sabe disso, e por  onde vai, carrega a caixa da cloroquina, e a ergue e mostra aos seus apoiadores, que vibram e urram em êxtase.
 
Pronto: está feita a veneração que marca o governo do Messias no imaginário dessa gente toda.
 
Na verdade, a caixinha da cloroquina foi transformada numa espécie de Bíblia de lunáticos.
 
É carregada e  erguida como se ela própria fosse a extensão do "mito" e de suas ideias tortas.
De maneira simbólica,  a caixinha da cloroquina resume  o que Bolsonaro significa para todos os que o apoiam: proteção contra ameaças reais ou imaginárias, e salvação contra todos os males.
 
E por mais que os números, os fatos e os argumentos sólidos digam o contrário, não é pela racionalidade que essa gente toda se move.
 
Bolsonaro, seus filhos, e as pessoas intimamente ligadas ao núcleo pensante e  executor do bolsonarismo sabem disso, e sabem como bem manipular essa parcela da população brasileira identificada com seu "mito".
 
 Mas há outro ponto neste assunto, para além do simbolismo, e, porque não dizer, da engambelação.
 
A obscura relação entre a defesa de fé que Bolsonaro faz da cloroquina, e o gasto público já feito para compra ou fabricação do medicamento.
 
Algo vultuoso, com quantidades enormes, feito às pressas e com pouca transparência.
 
A observação que vem nesse caso é: para além do simbolismo lunático, parece haver algo obscuro com essa realização de gastos volumosos com um medicamento cientificamente questionado e não recomendado.
 
Creio que caiba uma investigação séria e isenta (judicial ou administrativa) dessa movimentação de recursos do governo federal com esse medicamento.
 
Afinal,  enquanto os seguidores do Messias cantam "cloroquina, cloroquina,
cloroquina tem no SUS,  eu sei que tu me curas, em nome de Jesus"....... eu me valho das perguntas do Tiririca na sua canção "Florentina" para indagar Bolsonaro do porquê de tanto ardor no gasto de recursos públicos com o medicamento "bíblico".
 
Como diz Tiririca....
 
Qual é ?
Qual foi?
Porquê que tu tá nessa?

 

Este artigo é de responsabilidade exclusiva do seu autor, não representando necessariamente a opinião do portal.

 

Comentários

Engano seu Adalberto, mas se faz bem a você pensar que não leio, fique à vontade. Sou mediano sim, e você também é. Não pense que você se tornou um intelectual porque leu alguma literatura política. Você pode até discorrer sobre as teses elaboradas nas literaturas e envaidecer-se de que as entendeu e que seus olhos forma abertos. Mas tua leitura não foi suficiente para tirá-lo da manada. Você continua lá no meio da boiada aplaudindo quando o líder manda e com TOTAL INCAPACIDADE de questioná-lo. O que sua leitura fez por você? Lula te devorou com literatura e tudo, e você pensa que tem vontade própria. Não tem, sinto muito. Você está incapacitado de pensar. O PT inteiro é incapacitado de pensar. Só pensam e refletem o que lula diz. Então meu caro. Continue lendo e iludindo-se, que eu sigo na luta, combatendo tudo que posso contra esse que é o maior safado da nação, e que sua leitura não conseguiu lhe mostrar.

Joca - 04/08/2020 21h33

Joca, Essa declaração de que não tens partido e teu voto é livre, sem cabresto. Essa frase demonstra tua total alienação político/social. Infelizmente não compreendes o que são os Estados e a política (e não estou falando só do Brasil, mas de todos os países com o sistema político de votação). Infelizmente você é o que disse que é, um homem mediano, mas muito mediano, daqueles que nunca leram sobre esses assuntos, mas se acho experto. Sinto muito em te dizer, mas está sendo usado como soldado do inimigo externo, é somente um analfabeto útil para interesses alheios ao Brasil, interesses imperialistas.

Adalberto Paulo Klock - 04/08/2020 20h55

Ainda vivendo de odiar o PSDB como lula lhes ensinou??????? Pobre gente, que estrago o macunaíma fez com a cabecinha de vocês.

Joca - 04/08/2020 18h28

Parabéns pelo texto! Como sempre, muito lúcida a análise. Me pergunto quando esse governo irá responder por tantas irregularidades!? É um governo criminoso, insensível, que a única função é servir de escudo para a implementação da política neo-liberal do PSDB ( privatizar e retirar direitos).

Mara Rosana Rosa Foltz - 04/08/2020 00h57

Olha aí, mais um que se alimentou dos perdigotos infectos do lula e levanta a espada para dizer que tá defendendo a nação do imperialismo exterior e do capitalismo virulento. Incrível é lutarem contra o imperialismo defendendo um sujeito que tentou justamente ser o imperador latino americano, espalhando suas ideias tóxicas pelos países vizinhos e criando Chaves, Kirchner e outras barbaridades. Não sou contra a esquerda, rapaz, sou contra o PT e o lulismo, e te garanto que lula e esquerda não são a mesma coisa. Lula não é esquerda, nem centro e nem direita, é apenas um sujeito que se aproveitou de um momento político, usou o sindicato e seu poder de oratória, e quando viu tinha seguidores se envaideceu e resolveu virar deus. E vocês deram suporte, vocês o ajudaram a pensar que podia ser deus mesmo. Garanto que o que eu penso sobre país será 90% igual ao que você pensa, pois sou um brasileiro mediano assim como você e tantos outros que lêem por aqui. Nossa diferença está no fato de que vocês acreditam no maior mentiroso que já pisou no planalto e eu não. Não sou filiado a nenhum partido e nem escravizado por uma dialética torta. Meu voto é livre e não acabrestado por ninguém, e não nasceu ainda sujeito que me faça ser seu fiel seguidor. Nem lula, nem Bolsonaro. Já vocês, quando vão à missa, sempre procuram o lugar onde colocarão a estátua do São Lula depois que ele morrer.

Joca - 03/08/2020 08h00

O Joca, que erva tem usado para se alienar? Combate a corrupção, por favor, ninguém precisa aguentar tanta estultice. Isso que dá ficar só olhando televisão e fake news, perde totalmente a noção do real, do que acontece. Tua noção de esquerda é digna de quem nunca leu nada a respeito na vida, de quem não consegue ver uma sociedade melhor. Hoje até as pedras do mundo sabem que o capitalismo ruiu, mas há quem ainda não veja por pura parvisse. O que houve e há ainda no Brasil é uma guerra hibrida onde nosso povo foi usado como soldado do inimigo, e conseguiram tantos que tomaram conta do país. Na verdade você, Joca, é um soldado que luta a favor do imperialismo e da nossa submissão e servilismo a potências estrangeiras, mas tu nem sequer sonha com isso, porque não consegue ver. Por favor, por teus filhos e netos, vá estudar e para de falar asneiras. Parabéns Professor Paulo Schultz. Gente inteligente e culta merece todos os elogios, e o maior que conheço e ser chamado de Professor. Parabéns Professor.

Adalberto - 02/08/2020 23h17

Não é possível tamanha tosquice. O "totem" sagrado do Bolsonaro é o combate à corrupção e a diminuição das "tetas" governamentais que sustentam tantos "pensadores" esquerdistas. Os tais "pensadores" não querem trabalhar, pregam Estado inflado para dar sustentação a estes preguiçosos/vagabundos que ficam tecendo teoria de como é o "mundo perfeito" que, logicamente, é perfeito para eles. Enquanto você trabalha para sustentá-lo ele te convence de que você é valoroso, e você, bovinamente trabalha mais e mais, mas tem alguns que vão além. Eles escrevem textos defendendo seus escravizadores. Estes, além de achar que é um "ser pensante", ainda comete o desatino de louvar a estupidez. Ah, e sobre a cloroquina, caro "ser pensante", você sempre terá a opção de não tomá-la. O que não sei se seria possível no governo absolutista de esquerda que você defende, que lhe enfiaria goela abaixo a droga, como você tanto defende por aqui. E sobre a corrupção, antes de falar em Queiroz, responda sobre Celso Daniel e a trilha de assassinatos atrás deste caso.

Joca - 02/08/2020 10h20

Texto paulada! Fizeste me lembrar da "Bíblia do Caos" do Millôr, essa sacada da paródia foi show! Não sei a que tudo isso vai nos levar, Paulo, mas certamente alguma lição tiraremos disso tudo...

Rose Bitencourt - 02/08/2020 00h55

 

Comente estE ARTIGO

Mensagem  
Nome  
E-mail*  
   
  * não será publicado.

 

Soluty Zulupa.com.br © 2010. Todos os direitos reservados.
contato@zulupa.com.br - (55) 99700 5946 / 99613 5633