zulupa.com.br
sábado,23 de janeiro de 2021

Colunas / Cultura

 

25/11/2020 17h16 - Atualizado em 25/11/2020 18h10

Voltaram os atores principais

Paulo Schultz Paulo Schultz
Professor
O retrato político do país, mesmo sem  os resultados do 2o turno, é claro.
 
Volta a se postar no cenário a dualidade centro -direita x esquerda.
 
 Numericamente a centro-direita levou vantagem, mas o conjunto da esquerda, teve no primeiro turno, e terá no segundo, vitórias encorpadas e importantes.
 
Há o vigor obtido pelo PSOL, a resiliência forte do PT, e a presença sempre importante do PC do B e outros da esquerda do país.
 
Há que se considerar também o germinar de novos quadros dentro da esquerda, candidaturas vitoriosas vindas da periferia, das minorias, da juventude, das mulheres.
 
Do lado da centro-direita,  que parece ter retomado o espaço político perdido em 2018, vemos a emergência numérica de velhos partidos de direita clássica (PP, Dem) e do fisiológico centrão. 
 
Um misto de raposas antigas, com filhotes novos da mesma espécie.
 
Este cenário posto remete à uma conclusão: 
Sai da cena principal a extrema-direita, o bolsonarismo.
 
Que saiu minguadíssimo das urnas, o que aponta para o retorno ao seu tamanho de gueto.
 
Dada esta condição, somada a inaptidão e falta de habilidade para governar e dar conta da complexidade econômica e social do país, bem como a crise que se projeta para 2021, temos um indicativo que o fenômeno bizarro e destrutivo chamado Bolsonaro será uma andorinha de um verão só. 
Para o bem da nação, afirmo.
 
Evidentemente trata-se de um indicativo.
Mas é o rumo apontado pelos resultados.
 
Aquele que sempre foi coadjuvante, e por uma circunstância infeliz foi alçado ao cenário principal, deve voltar ao seu papel  de figurante.
 
E voltam os atores principais.
 
Primeiro,  voltam dentro da realidade dos municípios, nas disputas locais de políticas públicas e na implementação de linhas ideológicas de  governo bem distintas.
 
Segundo, se aponta para uma disputa, no horizonte, de projeto de país.
 
De um lado, subserviência ao poder econômico e ao capital, e migalhas conformadoras  para o aspecto social.
 
De outro, um projeto de país soberano, com forte indução de crescimento social e construção de cidadania.
 
Foi o quadro que se firmou no cenário do país nas últimas décadas, não de maneira artificial, mas de maneira enraizada, social e politicamente.
 
Cenário apontado, atores principais a postos.
 
Vamos ao embate, que começa no plano local e desemboca no nacional.
 
Parece que a vida real da política do país está  retornando.
 
Com direito à elencos parcialmente renovados, mesclados aos mais experientes.
 
Ao trabalho, cada qual com suas perspectivas.

 

Este artigo é de responsabilidade exclusiva do seu autor, não representando necessariamente a opinião do portal.

 

Comentários

Verdade professor Paulo! Voltam ou continuam as velhas raposas. Se não as velhas, os seus filhotes com as mesmas práticas eleitoreiras, se aproveitando da pobreza (em todos os aspectos), de número considerável de eleitores.

Terezinha Lazzaretti Krolikowski - 26/11/2020 13h46

Sempre preciso e objetivo. Notoriamente a centro-direita avançou bastante, conquistou espaços que não se imaginava seria possível eles conquistarem, pelo histórico longo de destruição que a centro-direita deixou nesse país. Infelizmente teremos que retomar um trabalho longo e concientizar novamente o povo.

Adalberto Paulo klock - 25/11/2020 23h42

Verdade Paulo,vimos um avanço de centro direita acompanhado da velha prática para Vitória nas eleições, mentiras,poder econômico, ameaças, que fazem parte da estratégia de campanha dos nossos opositores,além do ódio é da maldade

Helena - 25/11/2020 22h16

 

Comente estE ARTIGO

Mensagem  
Nome  
E-mail*  
   
  * não será publicado.

 

Soluty Zulupa.com.br © 2010. Todos os direitos reservados.
contato@zulupa.com.br - (55) 99700 5946 / 99613 5633